Curso figurino

 RESUMÃO DE  FIGURINO por Janara Morenna - blog de apoio ao curso de figurino

-->
O que é;
O figurino está sempre “amarrado” a uma proposta, contexto e conceito. O traje comunica ao expectador de forma imediata, pois as imagens são a primeira impressão captada. Através da carga e informações subjetivas  tais como: composição, cores, formas e signos ; o figurino ajuda a compor o objetivo da cena dando força  ao personagem e dialogando com o ambiente.






-->
Figurino é o traje usado por um personagem criado, seja ele interpretado por um ator, músico, ou dançarino.


Indumentária é todo o vestuário usado por algum povo relacionado à alguma época e cultura.
Através da carga e informações subjetivas tais como: composição, cores, formas e signos; o figurino ajuda a compor o objetivo da cena dando força  ao personagem e dialogando com o ambiente:


-->
O trabalho do figurinista começa com a pesquisa. Ele cria e projeta trajes, adereços, e a concepção de estilo para os personagens. Enganam-se quem pensa que o figurinista é aquele ser que cria suas peças sozinho, esse trabalho só é realizado com sucesso se há diálogo entre ele e  diretor, atores, roteirista, equipes de arte, cenografia etc. O trabalho é muito intenso, enquanto diretores e roteiristas têm meses para estudar o projeto o figurinista tem semanas para elaborar todo “guarda roupa” dos atores.
-->






Ao contrário do estilista que projeta e cria estilo para uma ou muitas pessoas, o figurinista busca criar peças com características próprias, a partir de um estudo detalhada do perfil psicológico de cada personagem (persona – personalidade), ele deve reunir em sua pesquisa dados sobre o personagem e sobre as características físicas do ator que representará aquele “novo ser”.

-->
-->

Perfil psicológico;

Dados sobre o contexto em que ele viverá; se será pobre, rico, quais seus valores, qual influência cultural e demográfica, histórico de vida, objetivos etc, constituem um mapa para construção do figurino de cada personagem.

Além desses dados básicos, é tarefa do figurinista saber qual o tipo de iluminação será usada, dependendo da cor do filtro ou gelatina que se usa no projetor de luz, poderá ocorrer a mudança completa da cor da roupa escolhida (atenção especial quando se trata de vídeo, nada de listrinhas ou quadradinho PB, pois dá erro e a imagem fica distorcida – parecendo ter vida própria).


Se for peça de teatro o figurino é estudado, confeccionado (ou produzido se for peça contemporânea)  e depois é feita a manutenção deste no decorrer dos meses da peça, sendo copiado caso haja necessidade de adaptar para outros atores ou no caso de longas temporadas.


Se o figurino é cinema ou televisão, é geralmente feita a “produção de moda” quando se trata de um contexto contemporâneo – ou seja, se é para usar o que está na moda ou o que é moderno, então o produtor de moda ou o figurinista vai ás compras...
  As lojas que se interessam em trabalhar com produção para figurino de TV e cinema possuem um cadastro, essa ficha é preenchida por profissionais com registro e vínculo com as empresas que os contratam, e através e cheques e notas eles garantem o pagamento das peças que ficarão e devolvem as que não serviram. 
Existem duas formas de produção; a que fica para o acervo – ou seja é paga pela produtora ou empresa que patrocina o projeto e a produção com devolução das peças devidamente intactas (algumas marcas doam peças para terem seus nomes e produtos expostos na mídia em uma espécie de permuta).
Para a produção de figurinos de época muita criatividade são requisitos básicos, pois além da vontade de pesquisar que é fundamental para saber exatamente tudo sobre o contexto geral, histórico, político e cultural, a imaginação precisa ser trabalhada para criação de trajes que remetem à estéticas hoje não vistas nas ruas. 

Comportamento;
No mundo antes da globalização as culturas não se fundiam como hoje, a informação de moda não transitava e cada cultura tinha seus códigos e forma de se comunicar de acordo com seu comportamento, crenças, valores etc. 

Dependendo da região do mundo, a estética mudava completamente e isso somado às questões do clima e geografia, a indumentária pode ser codificada e representar bem estereótipos e silhuetas. 




Diferencial
A criatividade de trabalhar com o lúdico mesmo em produções austeras e dramáticas é que fazem o diferencial para cada projeto de figurino.








  Criatividade
                            
            
Guia rápido;

De posse do roteiro leia e entenda o contexto apresentado 


Época
Local
Ambiente
Clima
Grupo social
Características psicológicas
Estilo 











Exemplo:

Rebelde: Garota de 21 anos, moradora de um bairro nobre de São Paulo, classe média alta, estuda música e não se adapta às normas sociais  impostas pela família. Tempestiva e de personalidade forte, gosta de ir para balada e curtir programas “Cult” com amigos. 





Ouve música eletrônica e adora Amsterdam. Possui estilo moderno e jovem. Gosta dos estilistas Alexandre Herchcovitch, McQueen, Dolce e  Gabana e Cavalera. Vai amadurecer ao longo da estória e se tornar parecia com a mãe que é clássica e tradicionalista, o visual acompanhará.







Ficha técnica;

1-  Nome do ator e personagem, tel de contato (para qualquer dúvida), boneco manequim desenhado (geralmente já impresso no papel ou ficha) e medidas necessárias.


        2-    O desenho (croquie) do figurino pode ser colagem ou desenho gráfico, assim como de todos os acessórios, sapatos etc.



     3- Enumere as peças com adesivos ou papel preso no cabide e arara e enumere igual na ficha técnica.





4-   Em um mural bem à vista de todos, prenda a ficha técnica com sua pesquisa. (no caso de novela, como são muitas fichas o ideal é guardar de acordo com o número do roteiro e deixar somente a pesquisa de estilos dos personagens no mural).





     5-    Acompanhe os ensaios atento á modificações de figurinos ao longo e sempre esteja com roteiros atualizados fazendo a decupagem (planejamento das cenas e ações).






      6-   Faça as provas de figurino antes da gravação ou espetáculo para consertar defeitos e fazer ajustes. Se for contemporâneo o ideal é ter muitas opções para que a ator também possa decidir o que lhe é mais confortável e coerente com seu personagem (é bom saber o que valoriza o corpo do ator e quais as intenções do personagem para não ter problemas nem com um e nem com outro!).








      7- Coloque etiquetas internas nas roupas, sapatos e tudo que fizer parte da produção para facilitar a arrumação das camareiras e para continuísta (profissional que cuia de todos os detalhes da roupa, cenário e maquiagem/cabelo para que estejam idênticos ao da cena que continuará a ser gravada em outro dia) localizar cada figurino no caso de alguma cena ser regravada ou continuada. 




 
   8- Cores

Quentes e frias também comunicam. Para comédia muita cor quente em profusão de elementos, formas, estampas e luzes. Para o drama o oposto, neutralidade, escalas de cinza e cores frias até na luz. Para o contraste misture as duas, mas com cuidado para não perder a harmonização.






A roupa como linguagem, como todo meio de comunicação, exprime também a cultura: cada civilização tem sua própria percepção e interpretação das cores.
 



 (entre parênteses) Antigamente o pigmento vermelho era raríssimo (importado do oriente) e portanto caro. Somente a nobreza podia usar, com a ascensão da burguesia o vermelho passa a ser proibido, impedindo os novos ricos de se vestirem como os nobres. O status e o poder estavam ligados a cor, até hoje o vermelho no vestuário é visto como signo de poder, das paixões e do proibido. Na natureza o vermelho simboliza também poder e perigo.


      9- Customização

Para dar uma cara de exclusividade aos personagem e também linkar o conceito e estética do figurino, a customização tem importante papel.

Tachinhas, aviamentos, bordados, tingimentos são alguns exemplos de beneficiamentos que podem ser usados para dar uma amarração no conjunto dos personagens.



10 - Arquétipos


São vários mas vou mostrar 2 muito comuns o santo vítima e o diabo.

Santo vítima:



Silhueta alongada

Cabelos escorridos ou capa

roupa clara

modelagem reta















Diabo

decote

tons escuros (vermelho, roxo, preto, marrom)

"rabo" (modelagem alongada nas costas ou lateral com corte diagonal

chapéu ou coque, rabo de cavalo ou arranjo na cabeça









Dedico aos meus alunos :-D

Por enquanto vou ficando por aqui, fico devendo a parte de figurino de época!!


-->
Projeto Pró Jovem - Ação Comunitária do Brasil
 3 turmas, quase 90 alunos.

 Esta resenha trata das aulas de figurino para jovens da Comunidade Cidade Alta - RJ, nos meses de março, abril e maio. Lá desenvolvi com os alunos uma seqüência de estudos e práticas ligadas ao desenvolvimento do figurino para teatro, TV e cinema. 

Fizemos atividades propostas pela apostila do governo. Incrementei as aulas com material que colhi durante minha vivência profissional e através da elaboração de 100 slides com base na pesquisa do figurino da criação até a execução do traje.

 Abordei as questões subjetivas que envolvem o entendimento do que deve ser planejado, tais como o estudo do perfil psicológico dos personagens, os arquétipos, a linguagem subliminar, a psicologia das cores e formas, os signos que caracterizam cada estilo, a linguagem das luzes + cores, e a análise dos objetivos do personagem em cena (de onde veio e para onde vai). Saímos do intangível e convidei a turma a refletir sobre os aspectos objetivos, tais como mercado de trabalho, funções do figurinista e equipe, questões ligadas ao net work, relacionamento entre equipes e com os atores - fundamental para que o trabalho corra bem, assim como conceitos e o vocabulário usados nesse segmento.
Em etapa posterior - ainda na teoria, discutimos o figurino de época. Ilustrei as explicações recorrendo ao estudo histórico comportamental, antropológico e social, fazendo ressalvas sobre como tais aspectos influenciam na elaboração de figurinos que remetem à indumentária de uma época.
Também fez parte do conteúdo programático o estudo das cores, as misturas entre primárias, secundárias e terciárias e o uso de cores quentes e frias  dando significância  a caracterização dos personagens.

Contextualizei os aspectos do figurino de época, este, que foi um pouco ignorado pelo programa oferecido (material didático- apostila). "O homem cobria o corpo com pele de animais para se proteger do frio e clima... na pré história". Fiz explanações contando a história da indumentária a partir da remota época das cavernas até os dias de hoje. Falei sobre o legado deixado dos períodos como idade média – renascimento, barroco, clássico, idade moderna, virada do século, anos 20, 30, 40... Sempre lançando mão de textos e imagens diversas. Também na pesquisa dei referências de alguns dos principais nomes da moda e sobre os formadores de opinião e celebridades que influenciaram  o pensar e vestir, chamei a atenção para uma reflexão sobre como a política, a economia, as guerras e a cultura de um local influenciam no comportamento social, que por vez refletem na indústria têxtil e na moda.

As práticas foram feitas a partir de propostas baseadas no dia a dia de um figurinista, fizemos desenhos artísticos e técnicos, fichas técnicas, pranchas de pesquisa (ambiente, personagem, estilo, tipo físico, cores e contexto). 

Por fim elaboramos figurinos  de carnaval customizados a partir de peças de roupas e retalhos. Alguns confeccionaram bonecos usando materiais alternativos e sucatas  - com base nos conceitos de sustentabilidade, reaproveitamento e reciclagem, nesta etapa foi interessante notar a surpresa dos alunos ao  ver o “lixo” se transformar    e também o comprometimento de todos em prol de  realizar o proposto. Trabalharam  com mais envolvimento, paixão e um sentimento de solidariedade que pôde ser observado a partir da busca por materiais (já prestes ao caminho do lixo) até a sala de aula. O estímulo gerado refletiu na postura deles com os colegas ao socializar o material adquirido, os “ruídos” sumiram e ficou o silêncio-barulho do trabalho.



9 comentários:

  1. Oh professora cade a minha foto?Aquela que tiramos na exposição.by:Renata Marcellino

    ResponderExcluir
  2. Foi a minha máquina? (cel) ou de outra pessoa? Porque o Thiago também tirou.... Devo receber o resante e aí passo pra cá, fique de olho aqui! Bjão!!!!

    ResponderExcluir
  3. Você tirou do seu celular, vou ficar de olho pode deixar.Vlw prof bjão.by:Renata M

    ResponderExcluir
  4. Queridos, acho que expus todas... Como - onde foi tirada? bjão e saudades!

    ResponderExcluir
  5. Achei esse blog por acaso e fiquei impressionada com o conteúdo dessa matéria.
    Sou amante de moda desde menina, comecei fazendo roupas pra mim mesma e fantasias para trabalhos escolares meus e de minhas amigas. Ao longo dos anos fui obtendo mais conhecimento, através da minha curiosidade que achava que podia fazer o que eu quizesse, sem cursar nenhum curso, mas com erros e acertos fiz coisas maravilhosas de fantasias escolares a peças de teatro dramáticos. Adoro trabalhar com reciclágem e reaproveitamento de matériais. Fiz faculdade de Design de Moda com 36 anos e hoje faço um trabalho com eventos escolares de grande porte ( 400 alunos) . Adoro o que faço e gostaria muito de ter a oportunidade de conhecer e assistir uma palestra ou algo parecido sua Janara Morenna.

    ResponderExcluir
  6. Oi Márcia, muito obrigada pela sua mensagem, que bom que esse blog está sendo útil não só como ferramenta de trabalho para os alunos, mas também a todos interessados no assunto.
    Se um dia eu voltar a trabalhar com figurino, com certeza divulgarei aqui.
    Enquanto isso, você pode acompanhar minhas pesquisas na área de Design de Moda praia e Gestão de marcas Cariocas, tema muito interessante também.
    Beijos, Janara Morenna.

    ResponderExcluir
  7. Ah volta com esse curso, queria tanto fazer ....

    ResponderExcluir

comentários: